quinta-feira, 3 de março de 2011

Biografia


n.b.: Esta biografia está muito sintetizada. Outras matérias, como a Formação Académica e Profissional, a Experiência Profissional , e os Percursos Artístico e Literário, serão dadas posteriormente em publicações independentes.


José António Lourenço Martins Baptista nasceu na Avenida Gomes Pereira (Benfica), em Lisboa a 26 Fevereiro 1957 por volta das 05h45 da madrugada.


Por razões profissionais paternas, com cerca de 13 meses rumou para Vila Real (Trás-os-Montes) onde cresceu até por volta dos 6 anos rodeado de serra, penedos, floresta, neve, ribeiros translúcidos como vidro, patos, gansos, galinhas, pintos, coelhos, recos, e bois e vacas de grandes cornos. Ficou-lhe na alma o gosto pelo isolamento, a solidão e a doce brisa do amanhecer nas alturas.


Dali, pelos 6 anos, partiu para Alcácer do Sal onde fez a Escola Primária e frequentou o 1.º Ciclo no Colégio Dr. José Gentil. Como ele diz "é viciado em caracóis" e adora Gaspacho e Açorda Alentejana, entre outras iguarias. Foram o Alentejo, a terra rubra, o ar silencioso, quente e imóvel, a planície, o planar ronceiro das cegonhas, o odor a searas prenhes de trigo, que também lhe ficaram na alma.


Com cerca de 12 anos veio para Oeiras, para um bairro rodeado de campo e resquícios rurais, terra onde continua a residir, e pela qual se apaixonou incondicionalmente e que considera sua mãe, a 'sua terra'. Ingressou no Colégio Portugal na Parede, para completar o 2.º Ciclo, após o que entrou para o Liceu de Oeiras, para o 6.º Ano.

Oeiras foi a adolescência, a praia, as festas de garagem, as namoradas, as malandrices, as aventuras, as cumplicidades... Foi o crescer e tornar-se adulto. Era, ainda é, o melhor sítio do mundo para viver, diz-nos ele.


A Revolução dos Cravos, em 25 Abril 1974, apanhou-o no Liceu aos 17 anos de idade, e a ela aderiu de corpo e alma, entregando-se ao sonho dum mundo novo, melhor, livre e justo. São muitas as reminiscências dessa época, perceptíveis na sua obra artística e na ficção que escreve.

Fez 5 das 6 disciplinas de 2.º Complementar e ficou 'manco' por causa da famigerada Matemática... Anos mais tarde, já adulto, completaria o 12.º Ano em Paço de Arcos, na Escola Secundária Luís de Freitas Branco.


Em 1977 incorporou nos Pára-quedistas no Curso de Sargentos Milicianos, para cumprir o Serviço Militar Obrigatório. Esteve nele até 1980.

Após isto, passou à disponibilidade e entrou no mercado de trabalho, e começou o que ele chama o seu 'calvário', num país onde grassava o desemprego.

Começou no duro, por baixo, e teve várias profissões e empregos. Foi operário metalúrgico, foi vigilante, foi "o que vem à rede é peixe!", que trabalhar e ganhar o pão com o suor do rosto dignifica, seja qual for a profissão.

Entretanto, fez o Curso de Design Gráfico no Ar.Co, em Lisboa, e entrou para a profissão que viria a ser a sua até hoje. Dedicou-se sempre também ao Desenho e Ilustração, assim com à Fotografia. Trabalhou em diversos jornais, diários e semanários, em revistas, e em ateliers de design, comunicação e publicidade.


Começou a profissão como Maquetista num jornal diário tendo paralelamente exercido como Arte-finalista, Maquetista, Visualizador e Ilustrador em ateliers de Design e Comunicação.

Continua activo, agora como freelancer. Das suas actividades múltiplas - Desenho, Fotografia, Internet/Blogosfera, trabalho associativo, etc. - faz parte incontornável a Escrita.


4 comentários:

KingofSpades disse...

Zé,

Muito bem mas deveras sintetizada, agora ficou o "bicho" de esperar pelo resto, mas detalhada e com "pormenores"....
Grande abraço e votos de sucesso
Rui Lemos

vitor disse...

Conheci-o nos Para-quedista e posso dizer que o Curso dele foi muito duro e ele fê-lo com grande valentia e dignidade.Vítor Ribeiro

José António Baptista disse...

Oi Rui,

Isto é mesmo o 'mínimo dos mínimos' duma vida cheia que já leva 54 anos.
Os pormenores serão dados posteriormente.
Grato pelos votos.

Forte Abraço,
zétó

José António Baptista disse...

Olá Ribeiro,

Grato pelos elogios que retribuo, porque passamos ambos pelo mesmo e também chegaste ao termo, a almejada Boina Verde e o Brevet. Reconheço-te essas qualidades e muitas outras, como a forte camaradagem, p.ex.

Forte Abraço,
Baptista